Antonio Roque Citadini


A nação corintiana está em festa neste setembro por um motivo especial: a comemoração do 92º aniversário do clube. Quase um centenário! Nesta longa caminhada, iniciada no século passado de um também passado milênio, os que forjaram o Corinthians viveram alegrias e tristezas, mas souberam corresponder aos que a eles se juntaram e contribuíram para torna-lo um expoente do futebol brasileiro.

A data exata de fundação do clube é motivo de controvérsia, dia 1º ou dia 10 de setembro de 1910. O estatuto do clube consagra o dia 1º, mesma data considerada a verdadeira pela “História de um grande clube escrita pelo próprio povo”, de Antoninho de Almeida.

Esta data está mais relacionada ao evento que deu origem ao nome do clube, a temporada brasileira do Corinthians Team, cujo futebol encantou cariocas e paulistas e em São Paulo motivou cinco rapazes a criar um time do mesmo nome, com uniforme idêntico.

Ora, a exibição do time inglês foi no dia 31 de agosto e nesta mesma noite, impressionados com o espetáculo visto no campo do Velódromo, na Consolação, quatro rapazes do Bom Retiro fizeram a reunião preparatória que culminaria, no dia seguinte, 1º de setembro, na fundação do clube.

Aos idealizadores Antonio Pereira, Joaquim Ambrósio, Anselmo Correa, Carlos Silva e Rafael Perrone, juntaram-se Alexandre Magnani, Felipe Aversa Valente, Miguel Sottile, João da Silva, Salvador Lopomo, João Morino, César Nunes e Miguel Bataglia.

Eram rapazes pobres, a maioria empregados da São Paulo Railway, mais tarde Santos /Jundiaí, mas não lhes faltava audácia. Logo decidiram alugar por 30 mil reis mensais um terreno situado onde hoje estão as ruas Ribeiro de Lima, Prates e José Paulino, para campo de treino.

As reuniões preparatórias eram realizadas em um salão de barbeiro da Rua dos Italianos, cujo proprietário, Salvador Bataglia, era irmão do presidente (o primeiro) do Corinthians, Miguel Bataglia.

Este verdadeiro exército de Brancaleone não poderia bater às portas da liga e ombrear os clubes da elite paulistana, como o São Paulo Athletic, S.C.Germânia, Cia. Paulistano e outros semelhantes.

Teria que fazer sua iniciação na várzea e conquistar, passo a passo, um lugar entre os grandes da época. O que fez com determinação e galhardia.


O Expresso, Capão Bonito/SP, 14/09/2002.