Antonio Roque Citadini


O brasileiro não tem memória, diz-se amiúde. E o torcedor, seria capaz de fugir à regra? A resposta não é fácil. Sim, o torcedor, aqui nascido, não deixa de ser brasileiro por gostar de futebol. Seria, de acordo com a regra, não um desmemoriado mas alguém indiferente ao passado de seu time, à sua história.


Nada mais falso. O perfil da torcida é semelhante ao da população brasileira. Tem igual proporção de crianças, jovens, adultos e idosos; de pobres, ricos ou remediados; de cultos, de mediana cultura e analfabetos.


Esses fatores condicionam o grau de conhecimento da história de um país e de sua cultura. É lógico que os torcedores mais velhos testemunharam o que hoje é história do time. As gerações subseqüentes, para conhecer tal história, valem-se da transmissão oral, dos registros da imprensa, dos raros livros e da televisão. Poucos corintianos sabem que o Timão ganhou seu primeiro título internacional há quase meio século, em 1953, na Venezuela.


Eu, hoje diretor do Clube, tinha pouco mais de dois anos. Foi a Pequena Taça do Mundo, torneio quadrangular considerado precursor dos mundiais que vieram a seguir. A Seleção de Caracas representou país e cidade sede. Da Europa vieram o Barcelona e o Roma. O representante do Brasil seria o Vasco da Gama, que não pôde participar, sendo substituído pelo Corinthians. O Timão ganhou de todos, duas vezes, pois havia turno e returno.


Quantos corintianos viram ou ouviram pelo rádio a façanha de seu time? Ver, só mesmo uns poucos felizardos. Não havia transmissão por TV. E o turismo não oferecia as facilidades de hoje. A maioria ouviu, sofreu e vibrou pelo rádio. É natural, portanto, que esta conquista pareça esquecida. Afinal, o maior contingente de torcedores tem menos de 60 anos de idade, logo não poderia acompanhar os jogos.


Mas, os mais velhos lembram o feito e contam aos netos. E há registro nos arquivos do Clube, nos jornais da época e é assunto em revistas que circulam atualmente, como “JÁ”, que publicou interessante reportagem sobre a Pequena Taça do Mundo em janeiro de 2000.



PEQUENA TAÇA DO MUNDO - VENEZUELA, 1953

Campanha do Sport Club Corinthians Paulista

    Corinthians 1 x Roma 0.
    Data: Terça-feira, 14 de julho de 1953. Estádio: Olímpico de Caracas, Caracas(Venezuela).
    Árbitro: Benito Jackson(Venezuela).
    Corinthians: Cabeção, Homero e Olavo; Sula, Julião(Goiano) e Roberto; Cláudio, Luizinho, Baltazar(Vermelho), Carbone e Nardo. Técnico: Rato.
    Roma: Moro, Venturi II e Cardaderelli; Bortoleto, Trere e Venturi I; Gighia, Pandolfini, Galle(Renosto), Brone e Perissinoto.Técnico: Não fornecido.
    Gols: C: Luizinho(01), aos 21 minutos do primeiro tempo.

    Corinthians 3 x Barcelona 2.
    Data: Sábado, 18 de julho de 1953. Estádio: Olímpico de Caracas. Árbitro: Braumberger(Suíça).
    Renda: Cr$ 2.130.000,00(142.000 bolivares).
    Corinthians: Cabeção, Homero e Olavo; Sula(Idário), Goiano e Julião(Roberto); Cláudio, Luizinho, Nardo(Vermelho), Carbone e Souzinha. Técnico: Rato.
    Barcelona: Velasco, Seguer e Biosca; Segarra, Bosch e Flotas; Basora, Cesar, Kubala, Moreno e Gracia. Técnico: Não fornecido.
    Gols: C: Luizinho(02), respectivamente aos 5 minutos do primeiro tempo e aos 30 minutos do segundo tempo, Carbone(01), aos 14 minutos do segundo tempo. B: Moreno(01), aos 2 minutos do segundo tempo e Kubala(01), aos 39 minutos do segundo tempo.

    Corinthians 2 x Seleção de Caracas 1.
    Data: Terça-feira, 21 de julho de 1953. Estádio: Olímpico de Caracas. Árbitro: Germine(Itália).
    Renda: Cr$ 1.280.000,00(92.000bolivares).
    Corinthians: Cabeção, Homero e Olavo(Julião); Idário, Goiano e Roberto(Sula); Cláudio, Luizinho(Nardo), Vermelho, Carbone e Souzinha. Técnico: Rato.
    Seleção de Caracas: Borracha(Passalaqua), Grecco e Nietto; Rizzo(Noia), Otero e Ecoave; 109(Padron), Mosquera, Miloc, Paulinho e Berni (Aguirre). Técnico: Não fornecido.
    Gols: C: Cláudio(01), aos 32 minutos do primeiro tempo e Carbone(01), aos 15 minutos do segundo tempo. SC: Aguirre(01), aos 19 minutos do segundo tempo.

    Corinthians 1 x Barcelona 0.*
    Data: Domingo, 26 de julho de 1953. Estádio: Olímpico de Caracas. Árbitro: Benito Jackson(Venezuela).
    Renda: Cr$ 1.200.000,00.
    Corinthians: Cabeção, Homero e Olavo(Julião); Idário(Sula), Goiano e Roberto; Cláudio, Luizinho(Nardo), Vermelho, Carbone e Mário. Técnico: Rato.
    Barcelona: Velasco, Seguer e Segarra, Flotats, Biosca e Bosch, Bassora, Cesar, Kubala, Moreno e Gracia. Técnico: Não fornecido.
    Gol: C: Goiano(01), aos 17 minutos do segundo tempo.
    Essa partida esteve interrompida por 17 minutos, a partir dos 25, por causa de uma briga generalizada. Com esse resultado, o Corinthians conquistou o Torneio Internacional de Caracas(Pequena Copa do Mundo) faltando apenas duas partidas para o encerramento.

    Corinthians 2 x Seleção de Caracas 0.
    Data: Sexta-feira, 31 de julho de 1953. Estádio: Olímpico de Caracas. Árbitro: Germini(Itália).
    Corinthians: Cabeção, Homero e Olavo, Idário, Goiano e Roberto; Cláudio, Vermelho, Nardo(Luizinho), Carbone e Mário.Técnico: Rato.
    Seleção de Caracas: Pasalacqua; Grecco e Noya; Otero, Nieto e De Souza; Pereira, Mosquera, Miloc, Paulinho e Berni. Técnico: Não fornecido.
    Gols: C: Cláudio(02), respectivamente aos 17 minutos do primeiro tempo e aos 38 minutos do segundo tempo.

    Corinthians 3 x Roma 1.
    Data: Sábado, 1º de agosto de 1953. Estádio: Olímpico de Caracas. Árbitro: Braumberger(Suíça).
    Renda: Cr$ 2.400.000,00.
    Corinthians: Cabeção, Homero e Olavo; Idário(Sula), Goiano(Julião) e Roberto; Cláudio, Luizinho, Vermelho, Carbone e Mário(Souzinha). Técnico: Rato.
    Roma: Moro, Venturi II e Trere; Garderello, Bortoletto e Ventiri I; Perissinotto, Pandolfini, Galli, Bronee e Gighia.
    Técnico: Não fornecido.
    Gols: C: Cláudio(01), aos 29 minutos do primeiro tempo e Luizinho(02), respectivamente aos 9 e 32 minutos do segundo tempo. R: Galle(01), aos 30 minutos do primeiro tempo.

    Artilheiro corintiano na Pequena Taça do Mundo de 1953: Luizinho, o Pequeno Polegar(05 gols).

FONTES: Celso Unzelte, “Almanaque do Timão”; A Gazeta Esportiva; Diário Popular; Revista Já, Diário Popular, Ano 4, nº 165, 2 de janeiro de 2.000.


(GAZETA PRESS)

Formação (da esquerda para a direita): Em pé: Cabeção, Idário, Goiano, Homero, Olavo e Roberto; Agachados: Claudio, Luizinho, Carbone, Vemelho e Baltazar.


O Expresso, Capão Bonito/SP, 12/01/2002.