Antonio Roque Citadini


A última pesquisa "Ibope-Lance!" que começou a circular em 6 de abril, demonstra o extraordinário crescimento que o Corinthians está tendo como clube popular, paulista e nacional.

É reconhecido que a nação corinthiana sempre foi grande e extraordinária, imbatível no Estado de SP e com razoável presença em todo o país. Nos anos 60 e 70, o Corinthians - sem ganhar títulos - como um fenômeno inusual, teve sua torcida aumentada especialmente no Estado.

Os adversários do Corinthians, sempre preocupados em minimizar a força do clube, alardeavam ser a nação alvinegra restrita a SP e portanto menor no conjunto dos grandes clubes brasileiros. Mesmo com extraordinária presença no maior mercado consumidor e com grande número de torcedores em todas as classes, o Corinthians era “pichado” como um time regional. Os anos 1990 se encarregaram de dar rumos maiores ao Corinthians. Disputando com grandes times conseguiu obter os principais títulos em disputa, a dar inveja a qualquer adversário, senão, vejamos: 1990 - Campeonato Brasileiro; 1991 - Supercopa do Brasil; 1994 - Copa Bandeirantes; 1995 - Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Copa São Paulo de Juniores; 1996 - Troféu “Ramón Carranza”; 1997 - Campeonato Paulista; 1998 - Campeonato Brasileiro; 1999 - Campeonato Paulista e Campeonato Brasileiro; e, finalmente, 2000 - Primeiro Campeão Mundial Interclubes da FIFA.

As grandes conquistas dos anos 90 começam agora a repercutir no acelerado crescimento da torcida corinthiana. O time que nas décadas de 1960-1970 apresentou o inusitado de crescer sem vencer, numa demonstração de fidelidade e paixão da torcida, cresce agora, ainda mais, com as vitórias.

O PRIMEIRO DO PAÍS - Os números do "Ibope-Lance!" mostram que entre os que gostam de futebol o Corinthians é o primeiro clube nacional com 17,4%; o Flamengo é o segundo, com 15,8%, e o São Paulo, o terceiro, com 9,4%. Estes números são de extraordinário valor, pois apontam que entre os envolvidos com o “mercado futebol” o Corinthians lidera. Isto é, entre os espectadores que consomem o futebol há uma liderança brasileira e ela é do Corinthians. Para as empresas, produtoras de material esportivo ou qualquer negócio ligado ao futebol, este dado é relevante.

O PRIMEIRO DAS METRÓPOLES - Maior importância ainda ganha esta posição corinthiana quando na mesma pesquisa "Ibope-Lance!" constata-se que o Corinthians é o primeiro time nas regiões metropolitanas com 14,3%, enquanto o Flamengo está com 13,4%, e o São Paulo com 7,3%. Vê-se aqui que o time que tem a maior torcida dentre os que gostam de futebol, é também o que tem a maior torcida nas grandes cidades. Estes dados são de grande importância para o mercado do futebol e do entretenimento. Estão nas grandes cidades os estádios e a torcida que vai ao campo. É nas grandes cidades que está concentrada a maior renda per capita. Ser o primeiro entre os que gostam de futebol no país e possuir a torcida com maior concentração nas regiões metropolitanas, credenciam o Corinthians como o melhor produto para o mundo do futebol.

O PRIMEIRO DAS CRIANÇAS - A pesquisa "Ibope-Lance!"/2001 ao tratar da faixa etária dos pesquisados revela importante dado para nós corinthianos. O Corinthians é o primeiro time entre as crianças que têm entre 10 e 15 anos, obtendo nesta faixa 20,3% de preferência; o Flamengo, vem em segundo lugar, com 17%; e o Palmeiras, em terceiro, com 10, 3%. Este importante dado mostra que ao dominar as faixas mais jovens da população, o Corinthians garante um futuro crescente de torcedores, diferentemente de outros clubes em que a torcida concentra-se em idades mais avançadas. Para cada torcedor com mais de 50 anos, o Corinthians tem 2 com menos de 15. Este importante dado sinaliza claramente que o clube encontra-se em fase de crescimento, e sua torcida que já é a maior, aumentará ainda mais.

O TIME NACIONAL - O Corinthians é de todos os times paulista o “mais nacional”. Comecemos pelo Paraná, onde o Corinthians é o terceiro classificado, estando acima do Paraná Clube, com 14% da torcida, contra 24% do Coritiba e 28% do Atlético Paranaense. Nesta importante praça para os negócios do futebol, o Corinthians supera todos os outros clubes “nacionais”, como Flamengo, São Paulo, Palmeiras e Vasco. Igualmente relevante para o Corinthians é o que demonstra a pesquisa "Ibope-Lance!" no Rio Grande do Sul, Estado sabidamente bipolarizado entre Grêmio e Internacional, mas mesmo aí o Corinthians aparece em terceiro lugar, sendo o primeiro dentre os clubes de fora do Rio Grande, com sua torcida concentrada entre os jovens até 24 anos na casa de 2%. No Distrito Federal, tradicional reduto dos clubes cariocas, inclusive onde dominam Flamengo (40%), Vasco (17%), o Corinthians ocupa a terceira posição entre os que gostam de futebol com 8%. No Estado da Bahia, lugar em que o Bahia (38%) e o Vitória (28%) dividem os torcedores, o destaque é o Corinthians dentre os clubes de fora com 6% entre os torcedores entre 10 e 15 anos de idade, indicando um futuro com boa presença no Estado já que os outros times “nacionais” têm seus torcedores entre idades mais altas. De grande destaque é também a posição do Corinthians em Pernambuco, onde é o clube de fora com maior torcida com 4%, e com grande concentração de torcedores na faixa de 10 a 24 anos. No Ceará, o Corinthians tem igual número de torcedores que os times locais Ceará e Fortaleza, 10%, com o clube paulista concentrando-se na faixa de 10 a 15 anos com 27% dos torcedores, estando tudo a indicar que nos próximos anos o alvinegro ameaçará o Flamengo o qual agrega 27% da torcida cearense.

O PRIMEIRO DOS PAULISTAS - A pesquisa "Ibope-Lance!" mostra a notável posição de liderança que tem o Corinthians entre os paulistas. Ser o primeiro em São Paulo é por si só algo de relevante para um clube, pois é neste Estado que se concentram os mais importantes índices econômicos do país. Aqui concentra-se 40% do PIB, o maior parque industrial, comercial e também todas as atividades econômicas do futuro (informática, internet, telefonia). Por consequência, é aqui que o mercado de publicidade tem a sua sustentação. TV, rádio e jornal não podem prescindir de boa penetração no estado de São Paulo. É neste Estado que o Corinthians tem notável liderança. Na Grande São Paulo, entre os que gostam de futebol, 41% preferem o Corinthians, quase o dobro do segundo e terceiro colocados na pesquisa (São Paulo - 23%; Palmeiras - 19%). Incluindo-se aqueles que não apreciam futebol, o Corinthians lidera com 33%, sendo o segundo posto ocupado pelos que não gostam de futebol (22%), terceiro o São Paulo (18%) e em quarto o Palmeiras (15%).

O Corinthians é o primeiro em todas as regiões da cidade, com notável presença nas zonas leste e norte; é também o primeiro em todas as classes sociais; entre os ricos tem 30% contra 22% do São Paulo e 16% do Palmeiras. E entre os mais pobres tem mais de 50% dos torcedores.

De todos os indicadores da pesquisa "Ibope-Lance!" o mais gratificante é o grande crescimento do Corinthians entre os jovens, tendo 46% dentre aqueles que tem entre 10 e 15 anos, numa notável evolução que demonstra que nos próximos anos o Corinthians será maior ainda, pois entre os mais idosos sua presença é menor, embora lidere com 30%.

Os números da pesquisa "Ibope-Lance!" permitem algumas conclusões irrefutáveis:
A - O Corinthians é o primeiro time do país entre os que gostam de futebol, superando inclusive o Flamengo;
B - O Corinthians tem sua liderança mais acentuada nas regiões metropolitanas, onde concentram-se os melhores mercados do futebol e da publicidade;
C - O Corinthians é o preferido pelas crianças em todo o país. É o primeiro entre os jovens de 10 a 15 anos, superando inclusive Flamengo, Palmeiras e São Paulo;
D - O Corinthians é cada vez mais um time nacional, com liderança absoluta em São Paulo, grande presença no Paraná. É o terceiro time no Rio Grande do Sul; cresce assustadoramente no DF e na BA; E em PE é o time com maior torcida fora os times locais com igual crescimento no CE;
E - Por último, o Corinthians é o grande time no Estado de São Paulo, no qual está o maior mercado que interessa ao futebol.


(“INFORMATIVO CORINTHIANS”, MAIO-JUNHO/2001, P.2)