LICITAÇÃO - Um contrato entre o governo do estado de São Paulo e a empresa multinacional Johnson & Johnson, firmado no dia 26 de julho de 1985, para a compra de equipamentos médico-hospitalares - no valor de US$ 10 milhões - foi julgado pela 1ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado e, segundo o relator, conselheiro Antonio Roque Citadini, toda a compra do material foi efetuada sem que tivesse ocorrido a licitação.

A empresa, no relato de Citadini, foi contratada irregularmente para a venda dos produtos. O relator afirma que, de início, o Poder Executivo foi autorizado a realizar a operação de crédito para o financiamento da compra. "Sem qualquer justificativa, a Secretaria da Saúde contratou a Johnson & Johnson", declara, afirmando que não houve negociações preliminares entre a empresa e o governo estadual. As secretarias de Saúde, Fazenda e Planejamento têm 15 dias para regularizarem a situação.

Jornal do Brasil, 13-10-1989, p.5.