Fornecimento de comida a presos é alvo de investigação na Grande SP

ARTUR RODRIGUES
DE SÃO PAULO
13/01/2016 02h00

Com gastos do governo paulista que ultrapassam R$ 200 milhões por ano, a alimentação dos presos na Grande SP é alvo de investigação por suspeita de irregularidades que incluem pagamentos indevidos e "quentinhas" menores e de qualidade inferior ao previsto em contrato.
Em um dos casos, a fiscalização da Secretaria da Administração Penitenciária verificou em 2015 que, em vez da entrega de marmitex com 100 g de carne bovina, 150 g de frango ou 120 g de peixe, a empresa responsável enviara só 63 g –e de carne suína, não prevista em contrato.
Nessa mesma unidade, em Itapecerica da Serra, a entrega de presentes natalinos pela fornecedora das refeições à cúpula do CDP (Centro de Detenção Provisória) foi fotografada no final do ano.
O diretor Claudinei Teixeira de Souza acabou exonerado do cargo pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB), por ordem do secretário Lourival Gomes (Administração Penitenciária), após a pasta ser questionada pela Folha.
No CDP de Vila Independência (zona sul), imagens registradas por agentes penitenciários mostram "quentinhas" enviadas ao presos misturadas a prego e a restos de frango (como cabeça).
Vistorias do TCE (Tribunal de Contas do Estado) nas unidades prisionais apontaram, além de má qualidade, pagamentos por um número de refeições maior do que a população carcerária existente.


ALIMENTAÇÃO NOS PRESÍDIOS

TCE investiga irregularidades em contratos de 'quentinhas' para presos




No detalhe, registro de entrega de presentes para a diretoria de presídio em Itapecerica da Serra (Grande SP); acima, cestas natalinas são entregues no local


FAVORECIMENTO
Direção do CDP de Itapecerica da Serra recebeu presentes de Natal de fornecedora, o que levou a destituição do diretor

QUANTIDADE
Apuração da própria SAP constatou que empresa entregava cerca de metade da carne estipulada e em tipo não previsto no contrato

QUALIDADE
TCE constatou má qualidade dos alimentos. Fotos tiradas por funcionários (abaixo) mostram "quentinhas" com cabeça de frango e até prego

PAGAMENTO INDEVIDO

Tribunal de Contas do Estado constatou pagamento de notas fiscais com refeições em quantidade maior que a população carcerária



SUPERFATURAMENTO

Ministério Público apura suspeita de superfaturamento em contrato do CDP Belém, em inquérito sobre empresa envolvida na máfia da merenda


Folha de S.Paulo, 13/01/2016